São tempos sombrios para o cinema indie/alternativo

Mais de 90% dos filmes apresentados no Festival Sundance no início do ano nunca sairão nos cinemas, por falta de 
distribuição. Com a crise, é paradoxalmente mais provável que filmes de US$ 150 ou US$ 200 milhões sejam produzidos hoje nos 
EUA do que um pequeno filme independente de baixo orçamento. 
A lógica dos estúdios mudou: produzir menos filmes, com conteúdo já testado, lançados no maior número de salas ao redor do 
mundo, simultaneamente. Nessa equação industrial, o custo não é um problema. O risco, sim. Resultado: o cardápio 
cinematográfico norte-americano está se tornando cada vez mais restrito, e o conteúdo, mais conservador. 
Em grande parte, “sequels”, “prequels” ou adaptações de séries de televisão. A safra excepcional de 2007 (“Onde os Fracos Não 
Têm Vez”, “Sangue Negro”, “Não Estou Lá” e “Zodíaco”, entre outros) não deve se repetir tão cedo. E dá-lhe “Transformers” 2, 
3, 4… 
(…) Godard e Truffaut instauraram a ideia de que o cinema era uma arte total, o ponto de encontro entre a literatura, o 
teatro, a pintura, a fotografia, a arquitetura, a filosofia. Desde então, gerações se formaram tendo o cinema como 
instrumento de compreensão e desvendamento do mundo. Como seria viver em um mundo em que esses filmes que vão além do simples 
entretenimento não mais existiriam?

Mais de 90% dos filmes apresentados no Festival Sundance no início do ano nunca sairão nos cinemas, por falta de distribuição. Com a crise, é paradoxalmente mais provável que filmes de US$ 150 ou US$ 200 milhões sejam produzidos hoje nos EUA do que um pequeno filme independente de baixo orçamento. 

A lógica dos estúdios mudou: produzir menos filmes, com conteúdo já testado, lançados no maior número de salas ao redor do mundo, simultaneamente. Nessa equação industrial, o custo não é um problema. O risco, sim. Resultado: o cardápio cinematográfico norte-americano está se tornando cada vez mais restrito, e o conteúdo, mais conservador. 

Em grande parte, ‘sequels’, ‘prequels’ ou adaptações de séries de televisão. A safra excepcional de 2007 (Onde os Fracos Não Têm Vez, Sangue Negro, Não Estou Lá e Zodíaco, entre outros) não deve se repetir tão cedo. E dá-lhe Transformers 2, 3, 4… 

(…) Godard e Truffaut instauraram a ideia de que o cinema era uma arte total, o ponto de encontro entre a literatura, o teatro, a pintura, a fotografia, a arquitetura, a filosofia. Desde então, gerações se formaram tendo o cinema como instrumento de compreensão e desvendamento do mundo. Como seria viver em um mundo em que esses filmes que vão além do simples entretenimento não mais existiriam?

Trechos do bom texto escrito pelo cineasta Walter Salles (Diários de Motocicleta, Abril Despedaçado, Central do Brasil) no mini-especial sobre a crise no cinema alternativo/independente que o jornal Folha de S. Paulo publicou hoje no caderno Ilustrada.

É um período de desafios para quem não faz filmes de crianças ou para adultos que se comportam como crianças

Rebecca Yeldham, diretora do Festival de Los Angeles

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s