Arquivo da categoria: cultura

Lobão: mais confuso e deslocado do que sabedor das coisas

Eles começaram muito bem. Lembro que vi um show deles com o Ira! e eles começavam falando ‘nós somos uma banda de hardcore’. Adoro o Amarante, mas virou uma coisa… O Camelo pirou. Eu conversava muito com o Camelo no Rio: ‘a Maria Bethânia é uma merda, um traste, o Edu Lobo é um cocô, que merda é essa de ficar lambendo o saco desses caras?’.  É um subproduto. O Edu Lobo é um excelente músico, tem uma base muito maior. Então, esses caras vão ser o cocô do cavalo bandido. Os Los Hermanos são bons compositores, mas, se você pensa errado, fodeu, e a energia baixa. Vi um show do Camelo descalço com um trono, sem bis. Aí é o fim, o cara está viajando. E, o pior, está tirando a pobre Mallu, que era uma menina legal. É um estupro cultural. A Mallu é uma menina linda, talentosa está naquela pasmaceira antológica. Mas hoje tem o BNegão, o Cachorro Grande, o Mombojó, o Vanguart, que já é uma galera veterana dos anos 2000, e não acontece nada…

… Mas não dá pra ficar só cheirando cocaína e enlouquecendo na rua Augusta…

… Precisa fazer um plano de ação e não ser tão humilde. (…) Tem de ser arrogante, passar a mão na bunda da sociedade. Falta tônus para as pessoas. A MPB já é assim. A capa do Caetano [no disco ‘Abraçaço’] é ‘vamos comer Caetano’ total, e o disco tem aquelas coisas totalmente evasivas. Um Comunista’. O que ele quer dizer com aquilo? Nada, não quer dizer porra nenhuma. ‘Lobão Tem Razão’ [do álbum anterior de Caetano, ‘zii e zie’]. O Lobão tem razão do quê, caralho? Eu dou um esporro nele e ele vem com Lobão Tem Razão oito anos depois? Vai ser bunda mole assim na esquina. E as pessoas ficam enchendo a bola daquela figura lamentável.

(…) O Chico pelo menos é um equivocado definido (…)

(…) tem um circuitinho, bota um chinelinho de couro, coloca o amp nas costas, tem aquele meia dúzia de pessoas que sempre vão ao seu show e você fica um aposentado no underground. Acho isso muito triste, uma condenação.

(…) do fundo do coração, eu seria incapaz de matar uma mosca, uma barata, uma Dilma.

(…) Canso de ver o Chico Buarque, mas ele é mais tímido e sai correndo.

Uma palavra: dó – trechos da entrevista para a Rolling Stone.

+arte&sociedade

Papagoiaba no Facebook

Vale cultura: revista de fofoca pode, mas videogame não (porque a Marta acha que não é cultura…)

(…) a ministra afirma: ‘eu não acho que jogos digitais sejam cultura’.

(…) A ministra, portanto, entende como cultura revista de fofoca, mas não videogames.

(…) Para os críticos, o benefício é uma forma de o governo se abster  em criar uma diretriz cultural e financiar quem não precisa de mais apoio estatal, como os espetáculos do Cirque du Soleil, filmes do Daniel Filho e musicais de Miguel Falabella.

No site da Carta Capital, pelo @Pierobl;

Papagoiaba no Facebook

Sesc traz itinerância da Mostra de Cinema de SP e do VideoBrasil a Santos em novembro (mas tem uma notícia ruim…)

É amanhã (sexta, 9), à noite (20h), no Sesc de Santos (bairro da Aparecida), a abertura da Itinerância do VideoBrasil – o festival de arte contemporânea do Sesc, em sua 17ª edição. Passei por lá ontem e o espaço da mostra ainda está sendo montado, mas dá pra dar uma ‘bizoiada’ em algumas obras já;

Depois, a partir do dia 14 – quarta que vem, e até o dia 20, é a vez do Cine Roxy no shopping Pátio Iporanga, no Gonzaga, ser tomado por duas sessões diárias de filmes selecionados da 36ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, a mais importante do país (ainda que a do Rio a ameace); programação.

Mas tambem tem uma notícia, hum, ruim na programação cultural da cidade…:

Pra fechar com chave de ouro (só que não) a gestão do atual secretário de cultura de Santos, o espaço expositivo da pasta na Vila Mathias apresenta uma mostra sobre a Coréia do Norte – que inclusive contou com a presença do embaixador daquele país na abertura (foto).

O que chega a chocar um pouco é que em nenhum momento a matéria no site da prefeitura explica o tom da exposição (o que só reforça o ‘chapa-branquismo’ da iniciativa – que afinal, contou com o apoio do governo daquele país): são obras críticas ao regime repressivo norte-coreano? Ou apenas demonstrações da produção cultural da nação??

Papagoiaba promete fazer uma visitinha ao local e trazer suas impressões aqui pro blog.

+caiçarices

Programação sobre 90 anos da Semana de 22 em Santos!


linha especial da Havaianas dedicada à Semana de Arte Moderna de 1922

Demorou, mas Santos deve finalmente receber, no comecinho de setembro ainda, uma pequena programação em homenagem aos 90 anos da Semana de Arte Moderna de 1922, organizada pela Oficina Cultural Pagu em espaços fora da chamada Cadeia Velha, no Centro, sede da entidade.

Como na Unisanta, com uma palestra pelo coletivo Ateliê Aberto, de Campinas, que vai investigar a influência desse evento marcante na cultura do país, dentro da arte contemporânea produzida hoje. Interessante (se não me engano, a Folha de S. Paulo já abordou o assunto há um tempinho). Isso em 1º de setembro, um sábado.

No mesmo dia, o autor Marcos Augusto Gonçalves (do livro recem-lançado 1922 – A Semana que Não Terminou), traça um panorama geral do movimento em palestra na Realejo, no Gonzaga.

Tudo de graça mas, segundo o site da Oficina Pagu, tem que se inscrever antes e as vagas são poucas – 20 pra cada evento.

A programação especial pela efeméride ainda terá oficinas de pintura a óleo, de escultura, ballet, fotografia e teatro (com uma aula sobre o processo de criação do Teatro Oficina). Tudo lá no site da Pagu, não perca e prestigie iniciativas assim em Santos, que estão faltando.

+Santos

Me permitem dar uma de Michel Laub*?

Um ótimo filme: Violeta Foi para o Céu

Um filme em que é preciso acreditar, sem desistir: O Vendedor (no Cinesesc)

Um filme totalmente dispensável: Flor da Neve e o Leque Secreto (no Cine Arte Posto 4, em Santos)

Uma exposição que arrebata e emociona: Paraisópolis – Uma Cidade Dentro da Outra (Sesc Pompeia)

Uma exposição que dá vontade de comprar o livro sobre o artista para conhecer mais: Oswaldo Goeldi – Sombria Luz (MAM)

Uma grata exposição descoberta: Ara Güler: Istambul Agora (idem)

Um showzinho pra fechar o começo de semana: Caio Bosco

*Michel Laub

E tchau, São Paulo; até bem breve! Você não foi fácil – mas MUITO obrigado por tudo.

+agenda
+paulistanices