Arquivo da categoria: eco

Quanta madeira cabe em uma árvore derrubada

Simples e perfeita a instalação Billon, do escultor suíço Vincent Kohler (via ArchDaily);

+arte&sociedade

Papagoiaba no Facebook

Anúncios

Duas coisas: Yoko e vegetarianismo contra aquecimento global

(…) o Protocolo de Kyoto teria sido mais eficaz se tivesse se ocupado do vegetarianismo em vez dos combustíveis fósseis.

Entre 18% e 51% das emissões de gases podem vir da criação de animais para alimentação humana;

Uma calça que ela desenhou tinha um buraco na virilha. Outra peça trazia setas apontando para os mamilos, com a orientação: ‘furos para colocar flores (frescas)’.

Sobre as criações fashion de Yoko Ono, que entrega todo ano um prêmio mundial de paz (!!) e disse que foi Ringo Starr, não ela, que acabou com os Beatles.

+eco

+arte&sociedade

 

 

O ciclista Bernardo Carvalho

O prazer é uma das coisas que mais incomoda os outros. As pessoas não gostam de ver os outros sentindo prazer. É isso o que acontece com as bicicletas. É um modo de vida diferente daquele do sujeito que tem de trabalhar de carro e está preso no trânsito. (…) A liberdade dos outros incomoda quando você está preso.

Bernardo Carvalho na última Trip

‘A culpa é da natureza’

A natureza é a responsável pelas mortes, jamais o empreendimento.

Frase de Marcelo Arreguy Barbosa ao Oesp de hoje, sobre a morte de uma centena de animais durante a construção do Rodoanel, que vai interligar as principais rodovias com destino a capital paulista, para livrar a cidade do tráfego pesado de caminhões.

Agora o detalhe: Barbosa é gerente de gestão ambiental [sic] da Dersa, responsável pela obra.

Assessoria de imprensa na Dersa ‘djá’! (se precisarem, estou ‘disponível no mercado’…)

Jornal de domingo: olhar estrangeiro

(…) Segundo dados da organização SOS Mata Atlântica, só 7% das florestas de Salvador continuam de pé. Isso talvez explique porque Darwin, recém-saído do inverno britânico, não se queixou tanto do calor baiano. Segundo [o pesquisador da Universidade Federal da Bahia – UFBA, Charbel] El-Hani, estima-se que a temperatura média da cidade era 8ºC [!!!] mais amena do que atualmente, por causa do “efeito ar-condicionado” da floresta.

Recife (12 de agosto de 1836)
A cidade, por toda parte, é nojenta; as ruas são estreitas, mal pavimentadas, imundas; as casas, muito altas e sombrias. Nada havia na paisagem, no aroma ou nos sons dessa grande cidade que me fornecesse quaisquer impressões agradáveis – Charles Darwin [O Diário do Beagle, Editora da Universidade Federal do Paraná – UFPR, 2006]

O que Darwin viu no Brasil, no Estado de S. Paulo.