Arquivo da tag: documentário

Já temos pra quem torcer: Brasil está sim representado no Oscar!! (~naquelas~)


(se liga na bandeirinha colada na câmera que o cara tá mexendo…)

Indicado para melhor documentário, o filme registra o conflito entre israelenses e palestinos a partir das cinco câmeras destruídas pelo exército de Israel (daí o título) – sendo que uma delas tem a bandeira do Brasil colada! Explica-se: a mulher do diretor estampado no cartaz é uma brasileira criada na Palestina. Os equipamentos foram comprados para acompanhar o crescimento do filho do casal, mas num lugar como aquele, como passar incólume pela conjuntura? – visto no Brasil de Fato, e detalhe da verde e amarela no instrumento de trabalho do cineasta abaixo:

JÁ TÁ SABENDO, NÉ?? – AMANHÃ À NOITE O PAPAGOIABA VAI COMPILAR EM TEMPO REAL TOOODO O BUZZ DO OSCAR NAS REDES SOCIAIS, SEJAM NOTÍCIAS, CURIOSIDADES, COMENTÁRIOS ENGRAÇADINHOS, FOTOS, VÍDEOS E, É CLARO, GIFS!! ACOMPANHA LÁ QUE JÁ TEM COISA ROLANDO!!

Papagoiaba no Facebook

Anúncios

random_#5

Nicolas Girard

É sombrio o futuro da MTV Brasil para 2013;

Tirando América do Norte, países andinos e um ou outro do Oriente Médio e Ásia, Mercosul e Europa ‘latina’ são regiões mais emotivas do planeta; leste europeu, África, Rússia e ex-repúblicas soviéticas são os ‘fossos’ emocionais do mundo.

Em alguns casos a presença física chega a ter mais valor do que a produtividade – ou de como o jornalismo precisa repensar seus valores;


Documentário sobre a… cola de farinha!!

Mostra sobre artistas contemporâneos brasileiros na Bienal em 2013;

Impressionante infográfico sobre a história do samba que a Superinteressante fez (via).

+random

Rei ‘salva’ vida de transeunte da gagueira

(…)

Foi abordada por Roberval Uzeda, 45, funcionário público, que anunciou: ‘Olha aí, eu tenho uma pra contar. Eu era gago, e o Roberto Carlos me tirou da gagueira. Salvou a minha vida, brother!‘.

O homem olhou para a câmera e cantarolou uma estrofe de Como É Grande o Meu Amor por Você. Explicou: ‘Cantei isso pra minha negona, deixei de gaguejar e ganhei a mina. Hoje, quando a gente se encontra, é o maior ‘love’. É pra televisão?‘.

Eduardo Coutinho faz audição para novo projeto no Rio

Jornal de domingo – Ensaio sobre a gagueira e +

Quem vê cara…

Há uma sequencia em que ela joga na lata do lixo uma ensaio fotográfico que custou US$ 50 mil, alegando não ter gostado do material. Também pede, sem nenhuma cerimônia, que estilistas famosos repensem suas coleções – às quais teve acesso em primeira mão. E nem uma beldade como Sienna Miller, escolhida para estampar a capa da tal edição de setembro, escapou. Anna ridiculariza o cabelo da atriz. Não na cara dela, mas pelas costas.

Sobre Anna Wintour, toda-poderosa e temida editora da Vogue norte-americana (inspiração para Meryl Streep no filme O Diabo Veste Prada), e ‘estrela’ de documentário Vogue – Edição de Setembro, que acompanha a produção da revista naquele mês de 2007,  quando tradicionalmente é feita a edição mais importante do ano, mas que bateu o recorde na ocasião com 840 páginas e quase 2,2 quilos. O filme está no Festival de Cinema do Rio. Trecho do texto publicado no caderno Eu& do Valor deste fim de semana.

Falando sobre o Festival do Rio…: O Oscar brasileiro.


‘O History Channel deveria se chamar Adolf Hitler Channel’


+ moda no Papa

+ documentário no Papa

Jornal de domingo – tráfico & cinema, livros & impostos, Rússia & pobreza

O homem chega carregado à Assembleia de Deus Ministério da Restauração, em Senador Camará, zona oeste do Rio. 

Olho inchado, as feições deformadas, perna com fratura exposta, está inconsciente de tanto apanhar de traficantes. ‘Era para ter tomado logo um [tiro de pistola] .40 na cara, vendeu pó royal em vez de pó [cocaína]. Demos um pau mesmo, era para ter morrido, tapear os outros é motivo de cerol, cortar todinho e sumir‘, diz para a câmera, de cara limpa, Juarez Mendes da Silva, o Aranha, 28, chefe do tráfico de um complexo com 15 favelas na zona oeste do Rio e 150 ‘funcionários’ armados, ao custo mensal de R$ 94 mil. Foi ele quem determinou a surra. 

Aranha tem tatuagens nos antebraços: em uma lê-se Jesus, na outra Cristo. Jura que pretende abandonar o tráfico para ficar com Jesus. Como controla tudo? ‘É Deus!’ O documentário ‘Dançando com o Diabo’ expõe a complexidade e contradições do universo de violência, do tráfico e da polícia, e a eventual libertação pela religião, em linhas tortas e tênues. 

Documentário mostra rotina do tráfico no Rio

 

(…) a medida mais absurda é a instituição da figura dos ‘mediadores’ de leitura – ou seja, pessoas que tentariam incentivar o hábito de ler na população. Como se vê, o governo do presidente Lula não abandonou a compulsão pelo ‘dirigismo cultural’, que foi evidenciada, em seu primeiro mandato, pelas tentativas de criação de um Conselho Federal de Jornalismo (CFJ) e de uma Agência Nacional de Cinema e Audiovisual (Ancinav). Quem serão esses ‘mediadores’ de leitura? De que modo serão escolhidos? Em que medida isso não pode levar a um festival de contratações de ‘companheiros’? Acima de tudo, o que garante que os ‘mediadores’ sejam mais eficientes do que os professores de ensino básico e como evitar que convertam seu trabalho em mero proselitismo partidário-ideológico?

A extravagante ideia de criação de um imposto para estimular o hábito da leitura só poderia vir de um governo cujo chefe já afirmou várias vezes que não gosta de livros e que não lê ‘porque dá sono’.

O imposto do livro

 


47% dos russos – a maioria, acredita que a causa por alguém ser pobre no país é ‘de responsabilidade da pessoa’